HISTÓRICO DA
INSTITUIÇÃO

No dia 1º de março de 1949, na Rua Mauá, 140, começou a funcionar a Escola Evangélica da Paz, na mesma sala em que, aos domingos, se reunia a comunidade para celebrar o culto. Faziam parte da primeira turma trinta crianças de Jardim da Infância e de alunos das três primeiras séries iniciais, sob a direção do Pastor Gustavo Schünemann.

No início de ano de 1952, a grande sala de aula (e de cultos dominicais) foi dividida em duas, somando-se a ela um galpão adjacente e recém reformado. Em 26 de julho de 1953, na presença do então Governador do Estado Gal. Ernesto Dornelles, lançou-se a pedra fundamental do prédio de dois pisos com três salas de aula, um auditório, secretaria e instalações sanitárias, sendo construído com contribuições da Comunidade Evangélica da Paz e de subvenções recebidas do governo. Esse prédio foi inaugurado em 31 de julho de 1955.

Sob o patrocínio da Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (OASE), foi lançada em 15 de janeiro de 1959 a pedra fundamental para a construção de um Jardim de Infância, que foi inaugurado em 21 de fevereiro do ano seguinte.

Em 1967, com a transformação da Escola Primária em Ginásio, passou a denominar-se “Ginásio da Paz” e, no dia 08 de maio de 1971, com agregação de recursos advindos da Federação Luterana Mundial, com sede na República Federal da Alemanha, foi inaugurado pelo então Governador do Estado, Euclides Triches. Na década de 90, a Escola empenhou-se em ampliar suas instalações, construindo um novo prédio que abriga laboratórios, salas especiais e quadras de esporte.

Partindo de reformulação legal, em 2000, a escola passou a denominar-se Instituto Sinodal da Paz e, hoje, atua nos níveis de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, tendo como mantenedora a Comunidade Evangélica da Paz.

O Instituto Sinodal da Paz é uma instituição que tem Confissão Luterana e a professa, toma decisões que se baseiam na graça, na fé, na esperança e, por isso, está comprometida com o constituir-se em lugar privilegiado de testemunho da graça, fé e esperança à sua comunidade escolar.

O reconhecimento da comunidade pela instituição é resultado da seriedade, dedicação e competência de todos os profissionais envolvidos no processo, que reforça um trabalho de ação integrada, em benefício do aluno e da comunidade.